Tag: poupança verde

0 comments

As espécies eucalipto, pinus, teca e pinho cuiabano já estão sendo plantadas, extraídas e comercializadas nos mercados nacional e internacional. É um atrativo aos pequenos produtores rurais

Técnicos e cultivadores de florestas, que acreditam e incentivam o plantio de florestas em áreas degradadas em Rondônia, garantem que dinheiro dá em árvore, e muito. As espécies eucalipto, pinus, teca e pinho cuiabano já estão sendo plantadas, extraídas e comercializadas nos mercados nacional e internacional. É um atrativo, principalmente, aos pequenos produtores rurais na formação de uma “poupança verde”.

 

As florestas já são realidade em várias partes de Rondônia. A mata plantada traz dividendos que estão gerando recursos aos produtores. O beneficiamento da madeira, a goma-resina e o sequestro de carbono originam os principais lucros.

“Quem plantar três hectares do pinho cuiabano terá uma renda de R$ 36 mil/ano, por exemplo”, informou o técnico florestal Adilson Pepino, de Ji-Paraná.

Com um investimento de R$ 12 mil, de acordo com os técnicos, pode se obter até R$ 500 mil em madeiras certificadas ao longo de 12 a 14 anos.

“O cultivo de floresta, de forma geral, produz muito mais do que a pecuária e a agricultura”, afirma o engenheiro florestal Aparecido Donadoni, alertando para o incremento da renda local e regional, favorecendo a atração de investimentos e indústrias para a região plantada.

“Onde tinha pinus plantado em escala de floresta no Brasil fui conhecer. Viajei até para a China, um dos maiores detentores de floresta desta espécie no mundo”, disse entusiasmado Antônio Marques, motivado a ampliar anualmente a floresta dele, a 25 quilômetros do centro de Vilhena.

Em 2015, as florestas plantadas chegaram a 7,6 milhões de hectares, menos de 1% da área produtiva do País, mas ocupa o terceiro lugar no saldo da balança comercial. O setor responde a 75% de tudo o que é consumido pelas indústrias de base florestal, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Em Ji-Paraná, o fazendeiro e industrial Mário Luiz Ramos Alferes encontrou a solução para um dos negócios dele, uma indústria de laminação. Ele iniciou em 2015 o plantio de 500 hectares de floresta de paricá. Dessa espécie, o principal produto é o laminado. “Todo o laminado produzido é exportado para Alemanha. Mercado garantido”, citou Adilson Pepino.

“A madeira da Teca, espécie mais cultivada na região de Ouro Preto do Oeste, também é toda exportada”, adiantou o fazendeiro Jaques Testoni, que preside a Associação Rondoniense e Floresta Plantada (Arflora), instituição colaborativa na difusão do plantio técnico de florestas.

O plantio de árvores é um negócio lucrativo e sustentável porque beneficia aspectos econômicos, sociais e ambientais. “Estas florestas contribuem decisivamente para a redução da pressão sobre as florestas nativas”, explica o coordenador de Florestas Plantadas da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam), o engenheiro florestal Edgard Menezes, garantindo que o governo de Rondônia já conta com legislação pertinente ao reflorestamento por espécies nativas e exóticas.

Foto: Paulo Sérgio

Fonte: rondoniadinamica

 

O ciclo da madeira foi um dos principais movimentos econômico ocorrido na história de Rondônia, nas décadas de 70 e 80, com a colonização e o desmatamento da floresta Amazônica, motivado pelo governo Federal. A realidade agora é inversa: a madeira a ser extraída vem da floresta plantada, que oferece atrativos geradores de renda, como o beneficiamento, a goma-resina e o sequestro de carbono.

Plantar floresta é fácil, porém é importante o acompanhamento técnico para obter os resultados desejados. “As espécies comerciais já estão definidas e devem ser plantadas conforme o tipo de solo na região. O eucalipto e o pinus, por exemplo, respondem melhor em solo mais arenoso, mais pobre em nutrientes. Já a teca e o pinho cuiabano são espécies bem exigentes em relação à fertilidade da terra”, detalhou o coordenador estadual de Floresta Plantada, o engenheiro florestal Edgar Menezes Cardoso da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam).

Atualmente plantar floresta é um excelente negócio em longo prazo e garante ganhos financeiros acima da média, especialmente ao pequeno produtor, que deve iniciar esse novo modelo econômico sem que a atividade desenvolvida no sítio seja afetada. Esta afirmação ecoa dos principais plantadores de floresta nas regiões de Pimenta Bueno, Vilhena, Ji-Paraná e Ouro Preto do Oeste, que buscam mais parceiros na construção de um cinturão verde nas áreas degradadas.

“É uma poupança verde. Além do ganho, o produtor rural não precisa desmatar, e contribui na recuperação de área degradada. É extremamente viável”, avalia o gerente Operacional, Gefeson Melo, do grupo Eletrogoes, empresa que vem pesquisando e selecionando o melhor da espécie em laboratório próprio, desde 2008, na região de Pimenta Bueno.

“Nossos estudos apontam o eucalipto com o melhor custo-benefício, tanto para o produtor quanto para a produção de energia renovável”, frisou o responsável pelo viveiro e floresta de eucalipto da Eletrogoes, o engenheiro florestal Carlos Alberto Soares Monteiro.

Toda a produção do eucalipto produzido na região tem endereço certo para venda: a usina termelétrica movida à biomassa, que deverá ser inaugurada ainda nesse semestre pelo grupo Eletrogoes.

“De uma forma geral, a floresta plantada gera muito mais do que a pecuária e a agricultura”, afirmou o engenheiro florestal Aparecido Donadoni, destacando que os maiores plantios das espécies eucalipto e pinus já são visíveis ao longo da BR-364, no trecho entre Pimenta Bueno e Vilhena.

Em Vilhena, o beneficiamento do eucalipto ocorre na cidade em forma de palanque para cercas, porteiras, madeiramento para construção civil, móveis, entre outras peças rústicas e decorativas. “O eucalipto é nosso carro-chefe, porém estamos beneficiando o pinus também”, anunciou o empreendedor, Anderson Zomer, de Vilhena, assinalando o aquecimento do mercado garantindo mais geração de emprego e renda direta e indiretamente.

As plantações de pinus no Cone Sul transformam as áreas totalmente degradadas em paisagem cinematográfica. Otimistas, os produtores avançam no negócio e já estão viabilizando a implantação na região de uma usina de beneficiamento da goma-resina, mais um lucrativo produto da espécie.

“Quando juntos atingirmos 15 mil hectares de floresta em pinus teremos matéria prima suficiente para instalar a resinadora”, animou o fazendeiro, Antônio Marques Pereira, detentor de uma das maiores áreas plantadas e um dos mais entusiastas do plantio do pinus em Rondônia.

As plantações do pinho cuiabano e da teca estão mais agrupadas nas regiões de Ji-Paraná e Ouro Preto do Oeste devido à exigência da planta quanto à qualidade do solo. “Parte da madeira produzida em Rondônia já está sendo exportada a partir do porto, em Porto Velho”, festejou Jaques Testoni, presidente da Associação Rondoniense e Floresta Plantada (Arflora).

Nessa consolidação do novo ciclo da madeira, o governo de Rondônia vem atuando quanto à legalização e o fomento de novos plantios de florestas. O objetivo é gerar desenvolvimento rural integrado a outras cadeias produtivas promovendo recuperação de áreas degradadas.

“Destacamos a sustentabilidade como a maior vantagem no plantio de floresta. As empresas lucram e geram empregos e renda causando o mínimo impacto ao meio ambiente”, encerra o engenheiro Edgar Cardoso, associando este padrão de floresta como fonte de energia renovável e na absorção do gás carbônico.

FLORESTA-PLANTADA_Floresta-de-Eucalipto_Foto-Paulo-Sérgio-370x247

Fonte: SEDAM

ae