Tag: Investimentos

0 comments

   Para descobrimos se o Mogno Africano é a melhor opção de investimento em se tratando de Florestas Plantadas e, principalmente, de madeiras nobres, devemos ter em mente dois principais aspectos: primeiro, o seu valor comparado as demais madeiras e, segundo, a sua taxa de desenvolvimento.

 

O Valor de Mercado

    O quadro comparativo abaixo exemplifica que, o Mogno Africano, assim como qualquer outra madeira Nobre, possui alto valor de mercado. Os valores estão em reais por metro cúbico de madeira:

    Vemos que seu valor se iguala ao Jatobá, sendo inferior, somente ao Ypê. Contudo, observamos também, que as madeiras nobres possuem um preço por metro cúbico expressivamente maior que o pinus e o eucalipto.

  Segundo a ITTO (The International Tropical Timber Organization – Organização Internacional das Madeiras Tropicais), o país de Gana exportou o metro cúbico da madeira serrada de Mogno Africano em 2014 a 629 Euros, conforme a tabela acima apresenta.

     A cotação de novembro de 2015 apresenta, ainda, uma alta dos preços. A madeira serrada de Mogno Africano da espécie Khaya Ivorensis foi exportada a 989 euros por m³. 

 O Desenvolvimento

  O Fuste de uma árvore é o comprimento do tronco que pode ser aproveitado em madeira serrada. Conforme demonstrado nas figuras abaixo, a taxa de crescimento do Mogno Africano é, em média, 1 metro de Fuste por ano.

     O DAP é o diâmetro do tronco medido na altura do peito, que no Mogno Africano evolui, em média, 5 cm por ano.

      Dessa forma, aos 10 anos, obtemos um Fuste de 10 metros e um DAP de 50 cm. Isso resulta em um volume de mais de 1,9 m³ de madeira por árvore.

  Podemos usar como parâmetro de comparação o Ipê-roxo, que somente aos 20 anos atinge, em média, um volume de 0,4 m³, conforme tabela abaixo¹.

     Esse desempenho volumétrico baixo não é exceção do ipê, mas pode ser verificado em diversas outras espécies de madeira nobre, tais como mogno brasileiro, teca, jatobá, cumaru, guanandi, entre outros.

     Conclusão

      Ao final dessas análises, concluímos que em termos de valor de mercado, o Mogno Africano se assemelha as demais madeiras nobres. Contudo, seu diferencial consiste em sua elevada taxa de crescimento, que é sensivelmente maior. Sendo, portanto, a melhor opção de investimento.

¹Ciência Florestal, v. 10 , n. 2, 2000, pág 96.

Fonte: Poupança Verde Mudas

Dois municípios de Mato Grosso do Sul vão receber R$ 9,3 milhões em empreendimentos no setor aviário e armazenamento de grãos. Em Douradina, serão investidos R$ 4,3 milhões na construção de dois silos com capacidade de armazenar 7.500 toneladas de grãos. Em Aparecida do Taboado, R$ 5 milhões serão destinados a construção de oito aviários, com capacidade de produção de 307.200 aves por ano.

 

Entre as indústrias que vão aproveitar a produção desses aviários estão a Frango Bello, BRF Brasil Foods, Doux Frangosul (JBS) e Seara Alimentos. No caso dos empreendimentos em Aparecida do Taboado, a produção está integrada com a Frango Bello.

Depois de aprovados pelo FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) em 2015, os contratos foram assinados pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB). A assinatura ocorreu em Cascavel (PR) na abertura do Show Rural Coopavel 2016, na semana passada.

Os empreendimentos fazem parte dos 210 projetos para construção de aviários, aprovados no ano passado pelo Conselho Deliberativo, que somam R$ 159,4 milhões. Os contratos para liberação dos recursos foram assinados com o BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul), um dos agentes financeiros responsáveis pela liberação das linhas de crédito oferecidas pelo FCO.

Segundo a Semade (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico), também receberão os recursos o setor aviário de Dois Irmãos do Buriti, Dourados, Glória de Dourados, Itaquiraí, Ivinhema, Jateí, Juti, Novo Horizonte do Sul, Rio Brilhante, Sidrolândia e Vicentina.

ae